Saiba mais sobre a tradição e técnicas ensinadas nas escolas francesas de gastronomia
Como estudar gastronomia na França - saiba mais sobre a tradição e técnicas das escolas francesas


Desde 2010, a gastronomia francesa é inscrita como patrimônio cultural imaterial da humanidade pela Unesco. Mesmo antes desse "título", muita gente já sonhava em provar receitas de Paul Bocuse e Alain Ducasse, um chocolate de Patrick Roger ou uma sobremesa de Pierre Hermé.

Entre os dez melhores chefs do mundo, seis são franceses. Por todo canto, pratos tradicionais deste país chamam a atenção nos cardápios de restaurante estrelados e, mesmo em casa, não há quem resista a uma bela combinação de queijo e vinho franceses. Aliás, a França conta com quase mil tipos de queijos, sendo 43 titulares de uma Appellation d’Origine Protégée (AOP), como o brocciu (da Córsega), o Cantal (Auvergne), o comté (Jura), o camenbert (Normandia) e o roquefort (Aveyron). 

A fama e o prestígio dos pratos franceses remontam à Idade Média. Taillevent e Sidoine Benoît, que atuavam nesta época e criaram receitas que são reproduzidas até hoje, são considerados pais da gastronomia francesa. Em 1883, foi criada a Academia Culinária Francesa, que é a associação mais antiga da chefs e confeiteiros do mundo. 

Para manter a excelência e a tradição, o país oferece uma gama diversificada de escolas e cursos que envolvem diferentes funções ligadas a restaurantes e alimentação.

Na França, a "restauration" – como é chamada área que engloba atividades de restaurantes – é dividida em quatro grandes tipos:

- Restauration gastronomique: como o próprio nome sugere, é a parte ligada à gastronomia. O seu objetivo é manter a oferta de pratos de qualidade, vinhos originais e também um cuidado especial com o acolhimento e o serviço.
- Restaurantion thématique: são os restaurantes que se concentram em características específicas de uma certa identidade ou cultura.
- Restauration rapide: são os estabelecimentos especializados em uma refeição rápida (com opções de frituras, hamburgers, pizzas, sanduíches...). Nessa categoria, também podemos incluir sorveterias e salões de chá.
- Restauration collective: está presente basicamente em três setores – educacional (em escolas e universidades), saúde e social (restaurantes de hospitais, asilos e estabelecimentos penitenciários) e trabalho (em empresas e prédios de administração pública).

Por todo o país, existem escolas de gastronomia que oferecem aulas com as técnicas exclusivas da culinária francesa. Estrangeiros podem se matricular em cursos livres e de curta duração em escolas renomadas como Le Cordon Bleu, Institut Paul Bocuse, Lenôtre e Ferrandi. Os preços variam de acordo com a instituição e o curso escolhido. É importante ressaltar que há opção de aulas em inglês.

Em relação ao ensino superior, a maior parte das ofertas que envolvem gastronomia diz respeito a formações em turismo e em gerenciamento de restaurante e hotelaria. Para saber mais, clique aqui (o conteúdo está disponível em francês, inglês e espanhol).

Também temos fichas específicas de algumas escolas tradicionais (em francês, inglês e espanhol) - clique aqui para ter acesso a informações sobre:
- Le Cordon Bleu Paris
- Ferrandi Paris – considerada a "Harvard" da gastronomia
- Lenôtre Plaisir
- Institut National de la Boulangerie Pâtisserie (localizado em Rouen)  
- VATEL International Business School, Hotel & Tourism Management (em Nîmes) 
- Ferrières (em Ferrières-en-Brie) 
- Institut Paul Bocuse (em Lyon)
- Centre de Formation d'Alain Ducasse (em Argenteuil)

Dúvidas sobre os estudos na França? Entre em contato com a nossa equipe, pelo e-mail: brasil@campusfrance.org